Municípios recorrem a encontros virtuais para concluir coletivamente relatório final do Selo UNICEF

Com a substituição do 2º Fórum Comunitário nesta edição do Selo UNICEF pela apresentação de um relatório final, alguns articuladores e mobilizadores estão se reunindo virtualmente, antes de submeter a prestação de contas das atividades, para debater e construir o documento coletivamente, como foi o caso do município cearense de Assaré. Antes de ser enviado ao Conselho Municipal dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (CMDCA), conforme previsto pela organização do Selo UNICEF, foi realizada uma reunião, por meio de videoconferência, com toda a equipe do Selo no município para reunir contribuições para a redação final do documento.

Com a pandemia do novo coronavírus, o 2º Fórum Comunitário, que integra a etapa final da edição 2017-2020, foi inviabilizada diante das recomendações de autoridades sanitárias e governamentais para evitar aglomerações em eventos presenciais. Assim, o relatório final foi pensado como uma alternativa a essa atividade para assegurar a prestação de contas e transparência de cada município.

Em Assaré, além de apresentar o relatório, a equipe fez questão de se reunir virtualmente para que o documento fosse resultado de uma ação coletiva, refletindo os últimos quatro anos de atuação do Selo. “A gente decidiu que faria uma videoconferência com nossa equipe do Selo para que cada pessoa tomasse conhecimento de cada ponto, levando em conta sempre a democracia nas decisões”, explica Agnaldo Cândido Sousa, articulador do Selo UNICEF em Assaré.

O encontro virtual, que reuniu toda a equipe do Selo no município, foi realizado no dia 5 de junho, quando o modelo de relatório final foi apresentado de forma detalhada à equipe. No dia 12, o articulador municipal compilou todas as informações, enviou ao prefeito do município, Francisco Evanderto Almeida, que analisou o documento e apresentou ao CMDCA. Com a aprovação do Conselho, o documento foi postado na plataforma do Selo UNICEF no último dia 22 de junho.

“Apesar dos desafios que estamos enfrentando, a nossa percepção é de que foi um momento digno de aplausos para a equipe do Selo por ter estudado e se preparado em tão pouco tempo (sobre as adequações em razão do coronavírus) e nunca nos faltou apoio. Ainda estamos no processo, à espera do resultado final, mas sabemos que nossas crianças e adolescentes, que devem ser o foco principal das políticas públicas, já foram contempladas”, pontua o articulador Agnaldo Cândido Sousa.