I ENAPETI – Adolescentes de todo Ceará aliados no combate ao trabalho infantil

A APDMCE, juntamente com o Mistério Público do Trabalho, realizou nesta segunda, 14, o I ENAPETI (Encontro Estadual de Adolescentes sobre Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil no Ceará), que aconteceu na Universidade do Parlamento Cearense – UNIPACE.

Centenas de estudantes de todo Estado participaram do encontro com palestras, grupos de estudos e receberam material informativo – como cartilhas e DVDs com vídeos sobre o tema – para levar, às escolas públicas, o debate sobre os prejuízos do trabalho precoce.

Estiveram presentes na mesa do encontro o procurador do MPT (Ministério Público do Trabalho), Dr. Antônio de Oliveira, a presidente da APDMCE, Jô Farias, a Vice-Governadora do Estado do Ceará, Maria Izolda Cela, o coordenador do UNICEF para o Ceará, Rio Grande do Norte e Piauí, Rui Aguiar, presidentes do CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente), Manoel Torquato, Conselheiro do CONANDA (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), o Deputado Estadual, Renato Roseno, o Gestor da Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS), Josbertini Clementino, além dos adolescentes membros do NUCA (Núcleo de Cidadania dos Adolescentes) de todas as regiões do estado do Ceará.

O encontro teve por objetivo promover a capacitação dos adolescentes para a prevenção e a erradicação do trabalho infantil e eleger os membros do Comitê de Adolescentes na Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil – CANPETI, instituídos no final do evento.

A 2ª etapa da iniciativa prevê a realização de oito conferências regionais, entre os meses de abril e maio, na capital e interior do Estado. Em cada uma serão eleitos 20 adolescentes e mais 20 profissionais das áreas de assistência social, educação, saúde e dos conselhos, que vão participar da 1ª Conferência sobre Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil no Ceará, no início de junho.

O encontro é uma oportunidade de troca entre os adolescentes e os profissionais que integram o Sistema de Garantia de Direitos. Juntos, eles puderam debater e aprovar Plano Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil do Ceará. “A participação dos jovens na iniciativa é uma valiosa contribuição, porque propõe uma transformação social. Os adolescentes passam a interferir ativamente nas comunidades em que estão inseridos, identificando casos de exploração e cobrando políticas de prevenção”, destaca Antônio de Oliveira, procurador do MPT.

A ideia de envolver os jovens em defesa da infância partiu de um adolescente de 14 anos, aluno do 9º ano do Ensino Fundamental da rede pública de Aquiraz. Felipe Caetano – coordenador do Núcleo de Cidadania dos Adolescentes (NUCA), em Aquiraz – teve a iniciativa de procurar o MPT-CE, determinado a combater a exploração de crianças e adolescentes. “A ideia do CANPETI é primeiro conhecer nossos direitos e deveres para colocá-los em prática. E também envolver a comunidade e os pais”, antecipa. “Todos nós precisamos fazer algo para ajudar a construir um mundo mais justo”, conclui.